facebook_pixel

Cabernet Franc: de coadjuvante a personagem principal

 •  462 views

By

Sempre que vamos a eventos e degustações de vinhos, ficamos de olho nas novidades e buscamos detectar tendências. E uma delas vem chamando a nossa atenção: os bons varietais produzidos a partir da casta Cabernet Franc.

Cabernet Franc, Viva o VinhoAté pouco tempo, ela era mais conhecida pela sua participação nos cortes bordaleses (é uma das seis uvas permitidas de Bordeaux), ao lado de Cabernet Sauvignon, Merlot, Malbec, Carménère e Petit Verdot, com participação, por exemplo, nos famosos Chatêau Cheval Blanc e no Chatêau Ausone, ambos da região de Libournais, às margens do rio Dordogne.

A Cabernet Franc, juntamente com a Sauvignon Blanc, deu origem à Cabernet Sauvignon, que nasceu do cruzamento espontâneo entre essas duas cepas. É uma casta leve e macia, com aroma de frutas vermelhas e especiarias. É também conhecida por Bouchet (Saint-Émilion), Breton (Loire) e Mencía (Galícia).

Casta de origem francesa

A Cabernet Franc tem sua origem na França. Algumas pesquisas apontam que teria sido levada para as proximidades do Vale do Loire, no século XVII, pelo famoso Cardeal Richelieu, que a plantou na abadia de Saint Nicolas de Bourgueil. No final do século XVIII, se tornaria popular em toda a região de Bordeaux.

No Brasil, sua história vem de longa data. Foi introduzida no Rio Grande do Sul pela Estação Agronômica de Porto Alegre, por volta de 1900. Nos anos 1920, os Irmãos Maristas já a cultivavam comercialmente em Garibaldi. A grande difusão da cepa, contudo, ocorreu nas décadas de 1970 e 1980, tornando-se a base dos vinhos finos tintos brasileiros nesse período. Mais tarde, acabou sendo relegada a segundo plano e gradualmente substituída pela Cabernet Sauvignon e pela Merlot. Chegou a ser vendida pelo preço de uva comum.

A história da cepa no Brasil, na verdade, foi prejudicada pelo uso de clones com propensão a doenças. Isso fez com que, apesar dos bons resultados iniciais em termos de vinhos, a produtividade e a qualidade das uvas caísse muito com o tempo, demandando sua troca.

Cabernet Franc, Viva o Vinho

Gráficos da Embrapa mostram que, em 1985, de um total de mais de 710 mil toneladas, produziu-se pouco mais de 10 mil toneladas de Cabernet Franc e que, em 2001, esse número havia caído para aproximadamente 2,5 mil toneladas, enquanto o total geral estava próximo de 1 milhão de toneladas. Os números refletem o que aconteceu com a cepa no Brasil: as vinhas foram praticamente erradicadas no Rio Grande do Sul – tanto na Serra Gaúcha, quanto na Campanha – e depois reintroduzidas gradativamente, com outros clones mais saudáveis.

A boa notícia é que essas novas vinhas já vêm produzindo, e produzindo bem. Atualmente, temos poucos, mas bons rótulos dessa variedade sendo feitos no sul, tanto no Vale dos Vinhedos, quanto na Campanha Gaúcha, em Flores da Cunha e, principalmente, em Pinto Bandeira. A Cabernet Franc tem sido aproveitada para vinhos em um estilo mais concentrado e de fruta madura – que podemos associar a uma inspiração bordalesa – e também num estilo mais frutado, fresco, menos concentrado e com mais acidez, que podemos associar aos vinhos produzidos em Chinon e Bourgueil, no Loire.

Cabernet Franc, Viva o VinhoSabor e textura em vinhos mais leves

Costumamos dizer que a Cabernet Franc é uma boa opção para quem deseja um vinho mais leve, com mais sabor e um pouco mais de corpo do que um Pinot Noir.

Essa casta apresenta cachos pequenos e de cor violeta profunda, com bagos pequenos, redondos e delicados. Durante sua maturação, se houver excesso de frio produz vinhos pálidos e de sabores pobres. Com calor em demasia, provoca sabores e aromas excessivamente herbáceos e vegetais.

É uma planta vigorosa, de média maturação, que se adapta bem a solos calcários. A vinha de Cabernet Franc floresce e amadurece mais cedo do que outras variedades, com boa capacidade de resistir a temperaturas frias.

Devido a seu sabor frutado com toque de especiarias, a Cabernet Franc é muito usada em cortes com outras uvas, para dar elegância, maciez e aroma ao vinho.

Cabernet Franc, Viva o VinhoOs vinhos elaborados a partir da Cabernet Franc são notoriamente picantes no nariz, com notas herbáceas e também florais, de violetas. Outros aromas frequentemente associados a esses vinhos são ameixas e amoras, pimentas preta e branca, e ervas secas. Além disso, podemos encontrar notas de tabaco, pimentão e azeitonas verdes.

Outras características típicas de um vinho produzido com Cabernet Franc são taninos longos, macios e bem integrados. Isso, combinado com uma acidez marcante, costuma oferecer vinhos elegantes, considerados requintados, e de boa longevidade.

Os tintos Cabernet Franc de boas safras ou de climas mais quentes podem ser mais encorpados e estruturados, sendo ótimos vinhos de guarda.

A Cabernet Franc é também é usada para fazer deliciosos rosés no Vale do Loire, na França. Sem falar na produção de vinhos de gelo (Ice Wine), e também vinhos de colheita tardia, com resultados bastante interessantes.

O que é esse tal de Ice Wine?

Cabernet Franc Ice Wine, Viva o Vinho

O Ice Wine é um vinho doce, servido com a sobremesa, feito com uvas congeladas quando ainda estão na videira – por isso somente é produzido em regiões bem frias, como no Estado de Nova York, nos Estados Unidos, e na região de Ontario, no Canadá. Esse vinho pode ser feito a partir de diversas uvas, tintas ou brancas, e uma delas é a Cabernet Franc.

O segredo do Ice Wine está no momento em que a uva é congelada – quando ainda está no cacho, antes de ser colhida. Nesse momento, apesar da uva em si estar congelada, o açúcar que está concentrado dentro dela não congela. O resultado é que, quando prensada (ainda congelada) a uva solta pequena quantidade de suco super concentrado. Por isso o vinho é doce, mas refrescante e com alta acidez.

A produção do Ice Wine não é fácil. Primeiro, porque as uvas têm de ser colhidas ainda congeladas, o que requer grande quantidade de pessoas na colheita. Segundo porque, como o vinho é feito quando as uvas estão congeladas, a quantidade é sempre reduzida. O resultado é fácil de imaginar: o preço é alto!

Principais regiões

 

Cabernet Franc, Viva o Vinho

Além da França, a Cabernet Franc é encontrada em países como Itália, Canadá, Estados Unidos, Chile, Brasil e Argentina. Também podemos achá-la em regiões com clima tropical, como Tanzânia e Indonésia, e outros países com produções menores, como Paquistão e Turquia.

Veja como é utilizada em cada uma das principais regiões:

Cabernet Franc, Viva o VinhoBordeaux (França): Apresenta-se em corte, com destaque para os vinhos da margem direita (Pomerol e St. Emilion)

Loire (França): Apresenta-se na forma varietal, com vinhos mais redondos, harmoniosos e deliciosamente aromáticos. As melhores sub-regiões são Chinon e Bourgueil

Norte da Itália: Vinhos secos, elegantes e delicados, na região do Friuli

Maipo (Chile): Vinhos secos, frescos e jovens

Vale dos Vinhedos (Brasil): Vinhos muito elegantes e harmoniosos, mais ao estilo bordalês, que surpreendem pela qualidade

Argentina: Produz tanto vinhos mais concentrados e potentes, ao estilo bordalês, quanto os frescos e aromáticos, associados ao Loire

Estados Unidos: A região de Sierra Foothills é uma das poucas regiões da Califórnia que produzem Cabernet Franc como varietal. Mais ao norte, em Niagara Escarpment e Lake Ontario, no estado de Nova York, produzem o Ice Wine

Como sempre falamos, a melhor forma de conhecer um vinho é provando. Experimente o Cabernet Franc de diferentes regiões para que você mesmo sinta a diferença e decida qual deles mais lhe agrada.

Aproveite o nosso evento no próximo final de semana, prove algo diferente e veja as dicas dos outros confrades!

Cabernet Franc, Viva o Vinho

Os vinhos que já provamos e dicas de harmonização

Como falei anteriormente, temos procurado experimentar vinhos com a Cabernet Franc de vários lugares nos últimos meses, tanto varietais quanto em corte.

Enos Gran Reserva Cabernet Franc 2012 - Viva o VinhoJá falamos de vários deles aqui. Veja alguns:

Varietais

Enos Gran Reserva Cabernet Franc 2012 – Brasil

Pulenta Estate Gran Cabernet Franc 2011 – Argentina

Viña del Fundo Reserva Cabernet Franc 2012 – Chile

Dedicato a Walter – Itália

 

Red One 2010 Chicas D.O. Valle del MauleCortes

Red One 2010 Chilcas D.O. Valle del Maule – Chile

Château Soleil Promesse 2007 – França

Salton Gerações Antonio “Nini” Salton – Brasil

Almaviva 2001, 2009 e 2010 – Chile

Lidio Carraro Grande Vindima Quorum 2006 – Brasil

Clos de Los Siete 2012 – Argentina

Para degustar um vinho elaborado com Cabernet Franc, há muitas boas opções de harmonização.

Essa uva é indicada para acompanhar pratos bem elaborados, com sabores sutis. Vai bem com carnes vermelhas ou de porco, aves como frango ou pato, pratos temperados com manteiga, ervas finas, alho, cebola, pimentas, hortelã, louro. Outra dica é comida árabe e pizzas.

Devido à excelente acidez natural encontrada nos vinhos produzidos com Cabernet Franc, os tintos e rosés são ideais também para harmonizações com queijo de cabra, queijo feta, cogumelos, quiche de espinafre e ervas aromáticas, como sálvia, tomilho e alecrim.

A temperatura de serviço de um vinho Cabernet Franc que realça os seus aromas e sabores está entre 15° e 17°C.

Mais uma vez, fica o convite para o Evento Cabernet Franc, da Confraria Viva o Vinho, de 17 a 19 de março. Aproveite para se divertir e conhecer um pouco mais dessa casta que está em ascensão. É só se inscrever em nosso grupo no Facebook. Esperamos por você!

 

 

 

Fontes:

Sobre Vinho

Revista Adega

Tintos e Tantos

Wikipedia

Simplificando o Vinho

Winer

Mistral

Adega do Vinho

Comentários

Comentários

About the Author

Jornalista, multimídia e apaixonada por vinhos. Adoro ouvir e contar histórias. Essa mesma paixão me levou às redes sociais. Já o vinho…. ele veio junto com o Emanuel e faz parte dos nossos melhores momentos!