Gente bonita, ponto badalado, iluminação diferenciada, um belíssimo painel… Só esses motivos já bastariam para chamar a atenção para o Red Buteco, uma nova casa inaugurada na Vila Madalena, em São Paulo, mas nele encontramos algo diferente. Um bar especializado em vinhos brasileiros.

Rafael, Ana, Rodrigo e Renata na inauguração do Red Buteco

Rafael, Ana (irmã de Rafael), Rodrigo e Renata na inauguração

Idealizado por três jovens empresários – um economista/sommelier, um arquiteto/urbanista e um advogado/DJ – o projeto visa expandir a cultura do vinho nacional e conta com o apoio das mais premiadas vinícolas do país. A proposta da casa é ter boa música, comidas de boteco, drinks e mais de 70 rótulos de vinhos brasileiros – para tomar por lá ou levar para casa!

Red vem das iniciais dos donos – Rafael, Rodrigo e Daniel. “Eu e Daniel somos de BH, a capital do bar. Por lá dizem: “se não tem mar, vão pro bar”. E o Rodrigo entendeu bem esse espírito. A ideia de buteco é ser descolado, descompromissado, aconchegante e sempre aberto aos amigos sem muita formalidade. Cada um pega seu vinho, sua taça, chama os amigos, muda a mesa de lugar, muda de novo, chama muita gente, vai de casal, fica em pé, senta na mesa ou na banqueta”, conta Rafael.

Por que vinhos brasileiros?

“Desde 2012, quando conhecemos o Vale dos Vinhedos, no Rio Grande do Sul, percebemos que algo interessante ocorria no mercado brasileiro de produção de vinhos: pequenos e médios produtores batalhando dia a dia para encontrar a melhor técnica e extrair o que há de melhor em nossas uvas. Associado a este fenômeno de busca incansável pela melhoria técnica dos vinhos brasileiros, percebemos que o mercado consumidor realmente desconhece os próprios produtos. E onde há desconhecimento há espaço para o aprendizado”, afirma Daniel Lage.

O sommelier ainda destaca que nos últimos dois anos ficou evidente, com as dificuldades econômicas, que o país enfrentaria limitações para as importações, e assim uma janela de oportunidade para o produto brasileiro claramente se abriria.

Os produtores de vinho nacional também enxergaram esta oportunidade e aceleraram as melhorias do processo de vinificação resultando, ano a ano, em novos produtos no mercado com mais qualidade. “Assim, temos o cenário perfeito: oportunidade econômica, produtos novos para o consumidor e qualidade na taça. É nisso que apostamos”, complementa Daniel.

Rótulos exclusivos

O portfólio de vinhos do Red Buteco é assinado por Daniel Lage e conta com muitos produtos exclusivos. Vinhos que não se encontram em supermercados e nem em lojas de vinhos.

Tudo foi minuciosamente pesquisado e aprovado antes de estar disponível ao consumidor. Uma aposta entre o que o Brasil tem de melhor, a começar pelos espumantes mais premiados: brut, extra brut e demi-sec, além de espumante rosé, vinhos tintos, brancos, rosés e licorosos, a maioria com origem controlada e indicação de procedência. E, ainda, sucos de uva integral e uva orgânica, e cervejas artesanais de Minas Gerais.

Vinhos brasileiros no Red Buteco, na Vila Madaleina, em São PauloOutro grande diferencial do Red é o relacionamento direto com pequenos produtores donos de propriedades vinícolas com capacidade limitada de produção, porém muito tradicionais e pioneiros no cultivo de uva para vinificação no Brasil.

Uma variedade de regiões brasileiras produtoras de vinhos foram prestigiadas, incluindo Minas Gerais, Paraná, São Paulo e até Pernambuco, além dos já conhecidos produtores de vinhos do Rio Grande do Sul.

O projeto conta com adega (ponto de venda e distribuição), gastrobar para atendimento ao cliente no espaço da loja, e loja online, com entrega para todo o Brasil.

É premissa do Red Buteco trabalhar com preços justos para democratizar o consumo e dar oportunidade para que todos provem e atestem a qualidade do vinho nacional, contribuindo para a sua valorização.

Os vinhos que provamos

Luiz Porto Cabernet Sauvignon 2012 Na noite de inauguração fomos muito bem recebidos por um dos sócios, Rafael, que é advogado, mas faz as vezes de DJ. Foi muito bacana ouvir a respeito da proposta, de ter um ambiente leve, mas que não abrisse mão de uma pegada técnica para clientes mais exigentes.

Foram servidos alguns rótulos durante uma animada degustação. Entre eles destacamos:

Luiz Porto Cabernet Sauvignon 2012

Nós já tínhamos comentado que temos encontrado bons vinhos de procedências brasileiras diferentes e este é de Minas Gerais, mais precisamente de uma pequena cidade chamada Cordislândia.

Não esperamos que você conheça a cidade, mas a Luiz Porto merece atenção. A produção deste vinho segue rigorosos critérios, como colheita manual, produtividade controlada em três quilos por planta e estágio de 12 meses em barricas de carvalho francês.

Um belíssimo Cabernet Sauvignon que chama a atenção na taça, nos aromas e na persistência do paladar. Em uma degustação fechada seria uma enorme surpresa.

É um vinho de guarda.

Dal Pizzol 200 Anos Touriga Nacional 2014

Dal Pizzol 200 Anos Touriga Nacional 2014

Esse vinho produzido pela Dal Pizzol a partir de uma uva emblemática portuguesa, Touriga Nacional, possui uma proposta mais descompromissada.

Passa por um estágio de dez meses em tanques de inox e três em garrafa antes de ser liberado para o mercado.

Jovem, é um vinho frutado, aromático, mas que acompanharia muito bem uma reunião de amigos a fim de rir e se divertir, tomar um bom vinho na companhia de queijos, frios e até de uma bela pizza.

 

 

 

Maximo Boschi Merlot 2006

Maximo Boschi Merlot 2006 Com segurança o melhor vinho da noite, é produzido com cuidado e muito rigor pela Maximo Boschi, no Vale dos Vinhedos, em Bento Gonçalves (RS).

Após a fermentação alcoólica, ele estagia 18 meses em tanques de inox, onde passa pela segunda fermentação, a malolática, que confere ao vinho um toque mais elegante. Feito isso, segue-se um novo período de descanso, de 15 meses, em barricas de carvalho francês. Engarrafado, ele permanece 30 meses, no mínimo, nas caves, para aí então ser comercializado. Estamos falando de um processo de produção superior a cinco anos.

O exemplar degustado era um 2006 e demonstrava claramente se tratar de um vinho maduro, de guarda.

Na taça, um vinho denso, com um brilho violáceo discreto. Até por conta do seu processo produtivo, não poderia ser frutado. Temos presença de anis, tabaco e frutas em compota. Ao beber, é um vinho elegante, macio, aveludado e amadeirado no ponto. É um belíssimo exemplar de Merlot.

Assim como esses três vinhos, o Brasil está repleto de surpresas que merecem ser descobertas. O Red Buteco, com seus rótulos exclusivos, pode ser um bom lugar para isso!

Serviço

Quem estiver em São Paulo e quiser conhecer o Red Buteco, a casa fica na Rua Mourato Coelho, 1.160, na Vila Madalena, telefone (11) 2619-9945. Abre às segundas (12h às 18h), de terça a quinta (12h à meia-noite), sextas (12h à 1h), sábados (10h à 1h) e domingos (12h às 21h).

Se você estiver fora de São Paulo e quiser comprar os exclusivos rótulos de vinhos nacionais, peça na loja online, neste link.

 

Comentários

Comentários