By

A noite estava fria do lado de fora, mas dentro da Vinheria Percussi imperava um clima de confraternização e muita harmonia, pois ela foi escolhida para ser a Embaixada Enogastronômica da Liguria em São Paulo. A escolha não poderia ser mais justa. Além da família Percussi ser originária da Liguria, o restaurante prestigia os rótulos produzidos nessa pequena e montanhosa região italiana.

Mas você sabe onde fica a Liguria e o que faz dos seus vinhos algo tão especial?

 - Embaixada Enogastronômica Italiana da Liguria na Vinheria Percussi - Viva o VinhoA Liguria fica em uma estreita faixa do litoral noroeste da Itália, sendo a fronteira oeste com a França, e a maior cidade Gênova.

O terreno é muito difícil de ser trabalhado, pois são encostas montanhosas, o que obriga a colheita das uvas ser totalmente manual e seu transporte montanha acima uma tarefa bem complicada. A influência marítima é marcante, bem como o clima Mediterrâneo.

Muita festa

Para comemorar o título de Embaixada da Liguria, a Vinheria Percussi, em conjunto com a importadora L’Aretuseo, organizou um jantar harmonizado para convidados, que contou com a presença dos proprietários da Vinícola Arrigoni, Riccardo e Andrea, e dos pais de Lamberto e Sílvia Percussi, o Sr. Luciano Percussi e sua esposa Maria Grazia. Simpatissíssimo casal, divertidos. O Sr. Luciano é um ótimo contador de histórias.

Fomos recebidos com um vinho branco, leve, fresco, o Ámpelos Riviera Ligure di Ponente. Muito claro e brilhante na taça, é perfeito para momentos de descontração, como a chegada dos convidados. Nada como começar bem essa noite de festa.

O jantar

O jantar começou com duas entradas leves: uma Focaccia al Formaggio e um Fritto Misto di Mare. A primeira era uma massa muito fina com queijo gratinado e crocante. A segunda, frutos do mar fritos com tempurá de alecrim e um tempero sutil perfeito, entregue em um pequeno cone de papel.

A harmonização ficou por conta de “Sur Lie” Vermentino Colli di Luni D.O.C., um vinho produzido pessoalmente por André Arrigoni. No processo, a maceração é realizada em gelo seco e a fermentação continua na garrafa. Não à toa foi possível perceber uma certa semelhança de aromas e paladar desse vinho com um espumante, apesar de não possuir perlage. É diferente, leve, refrescante e caiu muito bem com a Focaccia.

Para o Fritto Misto di Mare foi servido o “Vigna del Prefetto” Vermentino Colli di Luni D.O.C., um dos melhores vinhos da noite. Um vinho estruturado, um pouco mais dourado, com aromas remetendo a baunilha, frutas brancas maduras e secas. Considerando a sutileza dos temperos do prato, para nós a harmonização ficou muito boa.

Uma curiosidade: “prefetto” na Itália é o mesmo que o “xerife” de uma cidade. E esse vinho é feito realmente com uvas do vinhedo do “prefetto” de uma pequena cidade da Liguria. Um vinhedo de vinhas velhas de Vermentino, com produção pequena, que resulta em um vinho delicioso.

A seguir, vieram três pratos principais.

Começamos com o Trofie al Pesto, uma massa leve, feita a mão, com um pesto saboroso. Para acompanhar, continuamos com o “Vigna del Prefetto”. Foi muito interessante notar como a mudança dos frutos do mar para o pesto transformaram a percepção do vinho, mas mais ainda foi ver o quanto ele era bom. Um belo vinho, de produção limitada.

O próximo prato foi o Panotti in Salsa di Noci, uma massa com paladar mais marcante, que pediu um vinho mais encorpado. Por isso foi servido um vinho tinto, o “Ciliogiolo” Liguria di Levante I.G.P., um vinho com tons vermelhos e granada na taça, aromas de frutas secas e condimentos. Na boca nota-se sua típica vocação gastronômica e que não se trata de um vinho de guarda.

É um vinho muito versátil e acompanha bem peixes mais fortes e foi isso o que aconteceu. O prato seguinte foi um Baccalà in Salsa Verde, uma forma diferente de preparar bacalhau, que fica muito macio e suculento e harmonizou muito bem com o vinho tinto.

Chegou a hora das sobremesas e havia duas: o Latte Dolce, uma espécie de doce de leite frito, e Pacciughino, uma porção bem servida de uma espécie de Panna Cotta com calda de frutas vermelhas e biscoitinhos.

O vinho para acompanhar foi literalmente uma raridade: o Sciacchetrá, um vinho de sobremesa produzido a partir de uvas passas muito secas, com produção limitadíssima. É um vinho muito marcante, com uma cor dourada incrível, que enche os olhos. Nos aromas e no paladar, presença de amêndoas e uma doçura muito equilibrada. Excelente para encerrar um jantar desse nível.

Somos fãs da Vinheria Percussi e a homenagem recebida da L’Aretuseo, tornando-se a Embaixada Enogastronômica da Liguria em São Paulo é mais do que merecida. Parabéns a todos!

Comentários

Comentários

About the Author

Matemático, DBA e desenvolvedor de sistemas, apaixonado por gestão de conteúdo online. Para a experiência de beber um vinho ser completa, precisa de excelente companhia. Com a Renata, divido taças em momentos mágicos.